Barra de vídeo

Loading...

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Parto de gestante desencarnada


Uma mulher grávida sofre um acidente de carro e desencarna. O que acontece com o feto que está em seu útero, se ele, também, desencarna? O bebê fica preso ao corpo da mãe ou se separam automaticamente?
No livro Painéis da Obsessão, capítulo 16, de Divaldo P. Franco, psicografado pelo espírito Manoel P. de Miranda, tem curso um caso assim.
Depois de um acidente de carro a gestante, desencarnada, foi levada a um hospital espiritual para o devido socorro. Narra Miranda: “Surpreso, vi adentrar-se na sala alguns trabalhadores vinculados à Medicina, que procederam a uma cirurgia cesariana, nos mesmos moldes conforme sucede em qualquer hospital do mundo.
Após o ato, observei que o ser pequenino repousava ao lado da mãezinha que fora transferida para uma enfermaria especial...”
Mais adiante o médico desencarnado, Dr. Lustoza, esclarece: “Em muitos casos de gestantes acidentadas, em avançados meses de gravidez, em que ocorre, também, a desencarnação do feto, é de hábito nosso, quando as circunstâncias assim nos permitem, proceder como se não houvesse sucedido nenhuma interrupção da vida física. Em primeiro lugar, porque o Espírito, em tais ocorrências, quase sempre já se encontra absorvido pelo corpo que foi interpenetrado e modelado pelo perispírito no processo da reencarnação, merecendo ser deslindado por cirurgia mui especial para poupar-lhe choques profundos e aflições várias, o que não se daria se permanecesse atado aos despojos materiais, aguardando a consumpção. É muito penoso este período para o ser reencarnante, que pelo processo da natural diminuição da forma e perda parcial da lucidez, é colhido por um acidente deste porte e não tem crédito para a libertação mais cuidadosa. Quando isto se dá, os envolvidos são, quase sempre, irmãos calcetas, inveterados na sandice e na impiedade que sofrem, a partir de então, demoradamente, as conseqüências das torpezas que os arrojam a esses lôbregos sítios de tormentos demorados...”
Nesta colocação de Miranda, ele fala de duas condições, que eu dividi em azul e verde. Na parte azul, ele fala da mãe e do bebê que merecem ajuda e, portanto, são auxiliados na separação através de técnicos espirituais especializados. Como mostrei no começo do artigo, a mãe passa por uma gestação e parto como na Terra. No segundo caso, em que a mãe e o filho não são auxiliados, como descrito na parte verde, isso se dá por conta dos comportamentos deles que levam a isso.

Por fim, fica a curiosidade, o bebê na vida espiritual se torna adulto imediatamente? O benfeitor responde: “...o pequenino se desenvolverá como se a reencarnação se houvera completado, crescendo normalmente, participando das atividades compatíveis aos seus vários períodos em Institutos próprios...”
Acredito que esta situação de crescimento natural do bebê até se tornar adulto, depende do nível evolutivo do espírito. Um espírito mais evoluído toma a forma que mais lhe agrada, porque ele já possui autodomínio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário