Barra de vídeo

Loading...

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Obsessão Espiritual


Obsessão Espiritual 

1. Como identificar que estamos sendo obsediados?

No livro Nas Fronteiras da Loucura,  Manoel Philomeno de Miranda discorre de forma clara as alterações que ocorrem nas ideias, nas emoções e na saúde provocadas pela obsessão, que são os indícios que a pessoa está sendo obsediada: “Surgem, como efeito natural, as síndromas da inquietação, as desconfianças, os estados de insegurança pessoal, as enfermidades de pequena monta, os insucessos em torno do obsidiado que soma as angústias, dando campo a incertezas, a mais ampla perturbação interior.
Gera uma psicosfera perniciosa à própria volta pela eliminação dos fluídos deletérios de que é vítima e absorve-a mais condensada, por escusar-se ouvir sadias questões, participar de convívios amenos, ler páginas edificantes, auxiliar o próximo, renovar-se pela oração.”

Além destes sinais que podem evidenciar a atuação de um obsessor, no livro Nos Bastidores da Obsessão, o mesmo autor espiritual dá mais pistas do processo obsessivos para que o leitor possa ampliar sua auto-observação, assim diz ele:  “Quando você escute nos recessos da mente uma ideia torturante que teima por se fixar, interrompendo o curso dos pensamentos; quando constate, imperiosa, atuante força psíquica interferindo nos processos mentais; quando verifique a vontade sendo dominada por outra von­tade que parece dominar; quando experimente inquietação crescente, na intimidade mental, sem motivos reais; quando sinta o impacto do desalinho espiritual em franco desenvolvimento, acautele-se, porque você se encontra em processo imperioso e ultriz de obsessão pertinaz.”

2. A obsessão é uma espécie de enfermidade?
A obsessão espiritual revela aspectos pessoais que na maioria das vezes nem o próprio indivíduo sabe, porque está arquivado no seu inconsciente. A personalidade de hoje, que reencarnou com o propósito de melhorar, de se tornar um “homem novo” não se lembra de suas vidas passadas, ele se conhece e se avalia pela pessoa que é hoje. Assim, ele pode se julgar como uma pessoa interessada em melhorar, tem valores éticos, é do bem etc., portanto, a imagem que tem de si mesmo é a de uma pessoa do bem. Contudo, como a obsessão se manifesta pela sintonia do obsessor com o obsediado, e o obsessor está cheio de ódio, é vingativo e deseja o mal, se conclui que o obsediado também tenha essas qualidades inferiores. O que acontece é que a pessoa está buscando ser uma pessoa boa, ela ainda tem suas fraquezas, seus conflitos, mas já melhorou um pouco em relação ao passado. A sintonia que estabelece com o obsessor nem sempre é por conta da conduta atual, embora possa sê-lo, é através da culpa que está no inconsciente por causa dos erros, dos crimes, dos tormentos provocados a outrem. A presença do obsessor convoca o indivíduo a regularizar seus débitos que retardam seu progresso, além de deixá-lo fragilizado por causa das lembranças doentias.
Para finalizar, mais uma vez trago a palavra categorizada de Manoel P. de Miranda para elucidar se a obsessão é uma enfermidade, diz ele no livro Nos Bastidores da Obsessão: “A obsessão, sob qualquer modalidade que se apresente, é enfermidade de longo curo, exigindo terapia especializada...”

3. Qual o melhor tratamento para a obsessão?
Tanto o obsessor como o obsediado precisam de ajuda conjuntamente, com o arrependimento e o perdão para que ambos se libertem dos vínculos doentios que os atam. A seguir a recomendação do benfeitor Manoel P. de Miranda para a terapia renovadora: “Diante de qualquer expressão em que se apresentem as alienações por obsessão ou em que se manifestem suas sequelas, mergulhemos a mente e o coração no organismo da Doutrina Espírita, e, procurando auxiliar o paciente encarnado a desfazer-se do jugo constrangedor, não olvidemos o paciente desencarnado, igualmente infeliz, momentaneamente transformado em perseguidor ignorante, embora se dizendo consciente, mas, sofrendo, de alguma forma, pungentes dores morais.
Concitemos o encarnado à reformulação de ideias e hábitos, à oração e ao serviço, porquanto, através do exercício da caridade, conseguirá sensibilizar o temporário algoz, que o libertará ou granjeará títulos de enobrecimento, armando-se de amor e equilíbrio para prosseguir em paz, jornada a fora.” Sementes de Vida Eterna

Finalizando, segue a recomendação do tratamento no Centro Espírita que é o lugar preparado para tal mister: “Ao lado dessa psicoterapia, é necessária a aplicação dos recursos fluídicos, seja através do passe ou da água magnetizada, da oração intercessória com que se vitalizam os núcleos geradores de forças, estimulantes da saúde, com o poder de desconectarem os plugs das respectivas matrizes, de modo a que o endividado se reabilite perante a Consciência Cósmica pela aplicação dos valores e serviços dignificadores.” Nas Fronteiras da Loucura

Um comentário:

  1. Valiosos esclarecimentos. Precisava ler isto.
    Muito obrigado!

    ResponderExcluir